Publicado por: paulobedran | 15/10/2013

Peru de carro: viajando de Porto Velho a Cusco.

Peru de carro: viajando de Porto Velho a Cusco.

Com este post damos início à sequência que contará sobre uma inesquecível viagem de carro ao Peru; cruzamos a Cordilheira dos Andes rumo ao Vale Sagrado dos Incas, em seguida, pelo altiplano andino, percorremos o caminho até o Lago Titicaca.  
IMG_1486

Carretera Interoceanica | Peru de carro

Ainda morávamos em Porto Velho, portanto, nossa localização era privilegiada. Apenas 1.500 quilômetros separam a capital rondoniense da cidade de Cusco. Partindo de Porto Velho, são necessários dois dias para alcançar a cidade que um dia foi o principal centro cultural e administrativo do Império Inca. Não arrisque vencer essa distância em um mesmo dia, apesar das excelentes estradas peruanas, os 500 quilômetros finais impõem uma marcha reduzida, sobe-se a Cordilheira dos Andes. Em determinados trechos da rodovia, a altitude se aproxima dos 5.000 metros. Diversos fatores concorrem para travar a viagem, a altitude interfere no desempenho do veículo, o relevo confere inclinações extraordinárias à rodovia, além da significativa acentuação da maioria das curvas. Outros fatores ambientais ainda podem interferir: as chuvas tropicais na base da cordilheira, serração e neve nos trechos mais altos…

IMG_1187

Travessia do Rio Madeira | Peru de carro

Saindo de Porto Velho, o objetivo do primeiro dia foi chegar à cidade de Puerto Maldonado, já no Peru. O deslocamento teve início pela BR-364, sentido Rio Branco. No quilômetro 230, a rodovia vai de encontro ao Rio Madeira, não existe ponte, a travessia é feita de balsa (9°40’0.76″S 65°26’9.02″O), custa R$10 por carro. Uma curiosidade desta travessia é o tão próximo tal embarcação passa do território boliviano, a poucos metros da bandeira que demarca o território. Daí em diante, seguimos para Assis Brasil, cidade brasileira que faz fronteira com a peruana Iñapari. Pouco antes de Rio Branco, ainda em terras tupiniquins, pega-se a Estrada do Pacífico ou Carretera Interoceanica, como é chamada no lado peruano. Tal rodovia é binacional e funciona como eixo de integração entre o Brasil e o Peru; a BR-317 representa o trecho brasileiro, enquanto, no Peru, passa a ser identificada por PE-30. Do entroncamento da BR-364 com a BR-317 (10° 4’13.66″S  67°35’2.94″O) até a fronteira são cerca de 320 quilômetros.

IMG_1226

Carretera Interoceanica – Início da PE-30 | Peru de carro

De Porto Velho a Assis Brasil, o motorista terá pela frente rodovias de pista simples, precariamente sinalizadas, com trânsito moderado, pavimentação irregular e pouca fiscalização. Atravessada a fronteira, a única coincidência entre as rodovias é o número de faixas de rolamento. As estradas peruanas são impecavelmente sinalizadas, asfalto em perfeito estado de conservação, pouco trânsito e fiscalização estatal constante. Durante nossa estada em solo peruano, fomos abordados cinco vezes em barreiras policiais. Não tivemos nenhum problema com a polícia local, fomos tratados com cordialidade e, constatada a regularidade da documentação, liberados com votos de boa viagem!

IMG_1485

Subindo a cordilheira (PE-30) | Peru de carro

Todo procedimento burocrático necessário à entrada no país vizinho é feito na própria fronteira. O viajante brasileiro é dispensado de visto e de passaporte, basta o documento de identidade e o Certificado Internacional de Vacinação contra febre amarela; se estiver em veículo próprio, não alienado, basta o Certificado de Registro e Licenciamento de Veículo atual. De acordo com normas estabelecidas pelo Ministério do Comércio Exterior e do Turismo do Peru, todo veículo automotor que circule pelo território peruano deve contar com uma apólice de Seguro Obrigatório de Acidentes de Trânsito - SOAT. Portanto, se for entrar no Peru com seu veículo, adquira este serviço nas principais cidades e postos fronteiriços. O SOAT não é comercializado em Iñapari, na agência do Milbanco de Puerto Maldonado custa cerca de US$ 8. A carteira de habilitação brasileira é válida no Peru, mas, se preferir, pode solicitar, junto ao DETRAN de seu estado, a emissão da Permissão Internacional para Dirigir (PID). Particularmente, independente de legislação, prefiro viajar utilizando meu passaporte e minha PID; pode até ser superstição, mas me sinto mais seguro, acredito que tais documentos evitam possíveis desentendimentos. Atenção! A CNH não serve como documento de identidade no Peru, assim sendo, a carteira de habilitação deve ser portada sempre em companhia de um dos documentos de identificação aceitos.

IMG_1249

Em solo peruano – Iñapari | Peru de carro

Em Iñapari, o viajante deve aproveitar a parada e tomar uma Inca Kola para ir entrando no clima. Para quem não conhece, trata-se de um refrigerante à base de erva cidreira, criado no Peru, no início do século passado. Atualmente, a marca pertence à Coca-Cola Company. Abasteça o veículo em Iñapari e não se esqueça de trocar alguns reais por moeda peruana: novo sol. Neste tipo de viagem, dinheiro em espécie é indispensável; percorrem-se trechos inóspitos e despovoados, onde os poucos comerciantes locais desconhecem os cartões magnéticos. Apenas 220 quilômetros separam Iñapari de Puerto Maldonado. Neste trecho o relevo é plano e a paisagem ainda nos era familiar, florestas tropicais, porém, aparentemente preservadas.

Puerto Maldonado tem aproximadamente 40 mil habitantes, é a principal cidade da região. Uma boa opção para a pernoite, oferece hospedagens razoáveis e locais para jantar. Não crie muitas expectativas, as melhores opções talvez deixem a desejar; lembre-se que você está no interior da América do Sul, numa região relativamente isolada, num país em desenvolvimento que ainda apresenta relevantes problemas estruturais. Não desperdice a oportunidade de observar e viver um pouco do cotidiano daquele povo. Aproveite para dar umas voltas pelo centro da cidade, mesmo que chegue pela noite. Provavelmente vai achar o lugar, no mínimo, curioso. Irá se despertar para o trânsito aparentemente caótico, para os tipos de veículos utilizados, para o biotipo da população, para os costumes locais, principalmente os hábitos alimentares. Jante numa polleria, estabelecimento que comercializa frangos assados, servidos em diversas opções de frações ou mesmo inteiros. Aproveitamos a oportunidade para visitar um lugar que havíamos conhecido há alguns anos atrás, numa outra viagem à região. Chama-se Super Astoria, uma interessante polleria localizada numa das principais avenidas da cidade.

IMG_1328

Carretera Interoceanica | Peru de carro

O trecho de Puerto Maldonado a Cusco foi um dos pontos altos da viagem, 500 quilômetros de cenários incríveis. A sinuosa subida da cordilheira guarda surpresas a cada curva. No primeiro extrato deste percurso, as montanhas surgem na paisagem elevando as frondosas florestas tropicais. A altitude vai raleando a vegetação, até que as luxuriantes florestas dão lugar às pastagens do altiplano. A 4.700 metros de altitude, a paisagem muda de forma radical, estávamos no altiplano andino, frio e picos nevados passaram a nos fazer companhia.

IMG_1417

IMG_2479

A pouco menos de 200 quilômetros de Cusco (13°37’58.73″S  71° 8’4.84″O), uma placa na beira da estrada nos chamou a atenção: trucha frita! No meio do nada, um letreiro sugeria que ali poderíamos almoçar. Simplesmente inacreditável, parada obrigatória para os que cruzarem aquela região. Em um humilde abrigo envidraçado, duas irmãs, nativas, servem truta frita, fresca, acompanhada de batatas da região. Impossível descrever o prazer que nos proporcionou aquela refeição; cenário, cheiros, texturas e sabores fartaram nossos desejos e saciaram nossa fome. 

IMG_1484

Lhamas | Peru de carro

Deste ponto a Cusco, prepare seus sentidos: paisagens bucólicas, plantações diversas, dezenas de pequenos povoados às margens da rodovia, lhamas, trajes típicos… Para um explorador, uma experiência emocionante! Quase chegando a Cusco, uma curiosa construção chama a atenção, são as ruínas de Qaranqayniyuj (13°37’17.99″S 71°42’28.20O). A edificação inca dá as boas vindas aos visitantes, o preservado portal é uma pequena amostra do que ainda lhes aguardam: as ruínas do Império Inca!

Ruínas de Qaranqayniyuj | Peru de carro

Cusco é cena do próximo capítulo, espero que estejam curtindo viajar conosco! 

IMG_1462

Rumo a Cusco | Peru de carro

Atenção! Dicas importantes!

Não esqueça de revisar seu veículo antes da viagem, muitos modelos comuns no Brasil, são escassos por lá, o que dificulta encontrar peças de reposição e mão-de-obra especializada. As estradas exigem dos motores e dos freios, portanto, não descuide, pequenas manutenções podem se transformar em grandes problemas. Não abra mão de um seguro do veículo com cobertura internacional, seus serviços são providenciais em possíveis situações de quebra. Esteja preparado para os males da altitude, não existe regra geral para definir os efeitos do ar rarefeito.  Enquanto algumas pessoas se declaram imunes à altitude, outras passam muito mal com a diminuição do oxigênio. A primeira dica é prudência, ouça seu organismo e respeite seus limites. A princípio, trata-se de uma questão de adaptação, em média, dois dias são suficientes para a aclimatação. Dependendo dos efeitos, você pode se valer de alguns produtos, como o Oxishot e as Sorojchi Pills, ambos facilmente encontrados nas farmácias peruanas. O primeiro é um recipiente descartável que contém oxigênio medicinal, pode ser facilmente acondicionado numa bolsa ou mochila, serve para reparar as taxas de oxigênio naqueles cujo organismo ainda não se aclimatou. As pílulas Sorojchi Pills prometem prevenir e aliviar os sintomas do mal da altitude, também chamado de mal da montanha ou simplesmente soroche. São confeccionadas à base de ácido acetilsalicílico e cafeína, não custa consultar seu médico sobre o possível uso de tais medicamentos.

Críticas ao blog são bem vindas. Dúvidas serão respondidas. Use e abuse do formulário para comentários! Se quiser ser notificado das atualizações do blog, é só nos seguir! Um forte abraço e boa viagem!
About these ads

Responses

  1. Oi, Paulo. Tudo bem? :)

    Seu post foi selecionado para a #Viajosfera, do Viaje na Viagem.

    Dá uma olhada em http://www.viajenaviagem.com

    Até mais,
    Natalie – Boia

    • Oi Natalie!

      Tudo bem. E com você?
      Obrigado! É uma honra ser citado no Viajem na Viagem!

      Forte abraço!

      Paulo Bedran

  2. Paulo,pretendo fazer esta viagem neste próximo verão 13/14,saindo de uberlandia MG.Tem estradas boas que ligam BOLIVIA AO PERU?Tem algum risco de roubo de objetos dentro do veículo e a segurança de turistas que viajam por conta própria?Parabens pela sua matéria.

    • Oi Antônio! As estradas nesta região, comparadas com as do Brasil, apresentam boas condições de conservação. Quanto à questão da segurança, não pode perder de vista que trafega pela América do Sul, cruzando países com baixo grau de desenvolvimento, que enfrentam diversos problemas conjunturais. Considero os países vizinhos muito mais seguros que o Brasil, mas tenho consciência de que não estou em Wellington e pequenos furtos podem acontecer. Os cuidados que deve tomar são os mesmos aconselhados por aqui, precaver-se e não descuidar-se dos objetos pessoais. Forte abraço e boa viagem!

      • OBRIGADO PAULO.MUITO GENTIL DE SUA PARTE.SUCESSO EM SUAS “JORNADAS”.SEMPRE QUE POSSÍVEL ESTAREI ACOMPANHANDO SEUS COMENTÁRIOS.UM GRANDE ABRACO.

  3. Fala Bedran, estava pesquisando o trecho final da viagem que farei saindo do rio grande do sul, passando pelo atacama, uyuni e cuzco, retornando pelo acre, quando olha o blog de quem eu encontro, meu colega de ANP, Bedran.
    Saindo de Cuzco é viável dormir em Rio Branco?
    Não tem ponte em Puerto Maldonado?
    Entro a qualquer hora na fronteira com o brasileira?
    Me passa teus contatos para conversarmos
    Abraço
    Mauro FERNANDO SR/TO

    • Oi Mauro! Rio Branco é uma boa opção para pernoite, ou até mesmo Porto Velho. Em Puerto Maldonado já tem ponte. Cruza-se a fronteira a qualquer hora, porém, os serviços de imigração não funcionam 24 horas; há que se informar sobre o horário de funcionamento dos mesmos. Escreva para o e-mail paulobedran@gmail.com, daí te passo meus contatos. Forte abraço! Bedran

  4. Paulo, Parabéns pelas informações. Moro em Rio Branco, conheço Cuzco, porém será a primeira vez que irei de carro. O meu está no meu nome mas ainda alienado. Tem algum problema quanto a isso?
    E quanto ao seguro, mesmo com o pagamento do Seguro Obrigatório de Acidentes de Trânsito – SOAT, assim mesmo voce recomenda que eu tenha um seguro local com cobertura internacional (o meu é somente nacional)?
    Voce tirou este SOAT em Puerto Maldonado? Se sim, entre Iñapari e Puerto não pediram este documento de voce nos “Control” espalhados pela estrada?
    No mais, um abraço!

    • Olá Elton! Quanto as informações solicitadas em relação à documentação do veículo, sugiro que pesquise junto às autoridades consulares peruanas, pois, como tais regras sofrem alterações, prefiro não correr o risco de induzi-lo a erro. O SOAT é um seguro que cobre danos a terceiros, um seguro com cobertura internacional lhe daria maior tranquilidade. O SOAT pode ser adquirido em Puerto Maldonado; fomos parados numa barreira policial antes de Puerto Maldonado e orientados, pelo policial, a adquirir o SOAT em Puerto. Forte abraço e boa viagem!

      • Oi Elton,

        Retornei do Peru este mês e meu carro está alienado e não houve problema algum. Boa viagem!

      • Sayonara, obrigado pela informação!

        Elton, taí o relato!

  5. olha estou programando um viagem para o peru pretendo ir de carro.qual a melhor epoca para a referida viagem. no inverno não e chuvoso em compensação em algumas lugares e muito frio. tava pensando em janeiro 2015, pois minha esposa não gosta muito de lugar extremamente frio, será que em janeiro vou ter muito problema com chuvas durante o percurso ?.um abraço para vc do blog gostei muito das fotos das informações e dicas para uma viagem tranquila. aqui vai meus agradecimentos, espero que façamos uma boa viagem,quando voltarmos contarei aqui nossas experiência da viagem ate lá.

    • Oi Valdemar! Difícil responder sua pergunta, pois, existem diversas variáveis em questão. Primeiro você precisa definir seu roteiro com precisão, o clima não é o mesmo em todo o Peru. Fico satisfeito em saber que gostou do blog. Forte abraço e boa viagem!

  6. Olá Paulo, continue postando mais fotos e experiências sobre suas viagens! Estarei acompanhando. ótimo Blog e belas fotos! Enviei um convite no seu e-mail. Visite o meu blog também! :) Sucesso e muitas viagens pra vc!

    • Oi Cris! Que bom que gostou do blog! Visitarei seu blog. Obrigado pelos votos! Forte abraço e muitas viagens! :)


Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Categorias

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

%d blogueiros gostam disto: